Ao falar na sessão temática de segurança pública no Senado, na terça-feira (6), o presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, Luís Antônio de Araújo Boudens, defendeu a integração como forma de melhorar a atuação dos agentes de segurança pública. Em sua avaliação, é preciso desburocratizar o sistema de segurança e fortalecer a atuação dos agentes públicos.

Boudens defendeu o “ciclo completo de polícia”, quando não há restrições de atuação dos policias, como acontece hoje. Ele ressaltou inclusive que é preciso um grande volume de dinheiro para fazer funcionar duas polícias que trabalham separadas, com naturezas diferentes: uma de prevenção (Polícia Militar) e outra de investigação (Polícia Civil).

— Essa é uma questão tão óbvia que nós já deveríamos ter até resolvido antes. As duas polícias separadas nunca vão funcionar dessa forma. Uma bate à porta da outra para receber uma ocorrência.

O policial também destacou que, para as melhorias, não é preciso começar algo novo, basta aproveitar projetos já em tramitação no Congresso Nacional.

Uma das propostas citadas por ele foi a PEC 51/2013, do senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que reorganiza as forças policiais extinguindo o seu caráter militar e determinando que atuem tanto no policiamento ostensivo quanto nas investigações dos crimes. Outro projeto defendido por Boudens é o PLS 227/2012, do senador Armando Monteiro (PTB-PE), que estabelece numeração única para os boletins de ocorrência.