17/Agosto 2017
Servidor Público
SINPEFGO repudia medidas hostis do governo federal.

O Sindicato dos Policiais Federais no Estado de Goiás vem, publicamente, repudiar as artimanhas que vêm sendo orquestradas pelo Governo Federal contra os servidores da Polícia Federal e demais funcionários públicos da União.

Nos últimos meses, na tentativa desesperada de garantir a manutenção do poder e de suas regalias, o Governo Federal negociou e propôs barganhas sórdidas a parlamentares, fazendo uso de bilhões de reais do povo brasileiro no intuito de custear emendas a políticos (em pleno período da votação da denúncia contra o presidente da República) além de renunciar dívidas fiscais de grandes conglomerados empresariais e industriais do país, os quais apostam nos aumentos de lucros oriundos das reformas trabalhista e previdenciária, duas das principais maldades que visam não somente prejudicar os servidores públicos mas todos trabalhadores brasileiros.

Recentemente, com o claro objetivo de tapar o rombo causado pelos gastos astronômicos realizados na campanha pela "manutenção do poder", equipe, dita econômica, do Governo Federal vem propondo diversas medidas extremamente prejudiciais ao funcionalismo público e à estrutura da segurança pública, em especial aos policiais federais e à Polícia Federal.

O enfraquecimento da Polícia Federal por meio de contingenciamento de recursos, redução salarial, corte de 50% no salário inicial do policial federal, aumento da alíquota da contribuição previdenciária, congelamento da reposição inflacionária fixada por lei, inviabilização de novos concursos para reposição do efetivo, visam, com plena certeza, fragilizar as investigações de combate ao crime organizado, em especial a OPERAÇÃO LAVA JATO, por motivos óbvios e notórios decorrentes dos sucessivos escândalos de corrupção e de atos decorrentes de atentados contra o Estado Democrático de Direito.

Tais medidas, desnecessárias e populistas, que não resolverão em nada os problemas fiscais e econômicos do país, visam também manipular e dar uma falsa satisfação a mídia e à sociedade brasileira. A simples cobrança de parte dos 540 bilhões de dívidas dos empresários com a União, cujo ?perdão? está em trâmite na Câmara dos Deputados (Bolsa Empresário) aliviaria por alguns anos a questão fiscal da União.

A evasão de servidores da PF aumenta a cada dia, as aposentadorias policiais também. Medidas midiáticas e irresponsáveis a que estão sendo submetidos os policiais federais, e também os policiais rodoviários federais, os analistas e auditores da receita federal, e outras categorias de servidores, terão graves consequências para a sociedade brasileira pois abrirão um enorme buraco nas nossas fronteiras, oportunizando ao tráfico de drogas e de armas, oportunidade excepcional para adentrarem mais ainda em nosso território, propiciando assim um cenário muito mais grave que o atual para a segurança pública.

Fragilizar os servidores da Polícia Federal é atentar contra o povo brasileiro.

Os servidores da polícia federal não ficarão inertes a essas medidas absurdas e irresponsáveis. Unidos com outras categorias de servidores, mostraremos à sociedade, de maneira responsável e com denodo, que não serviremos de bode expiatório para os erros e desperdícios cometidos pelo governo federal.

Goiânia, 16 de agosto de 2017.

Francisco José da Silva Júnior
Presidente do Sindicato dos Policiais Federais em Goiás - SINPEFGO